Os 900 anos da Pampilhosa serão celebrados entre 28 de maio e 2 de julho deste ano. Com um programa feito a rigor que envolve as associações locais, a Junta conta também com a colaboração da Câmara da Mealhada para mostrar o testamento original da doação de terras, que durante cinco dias deixará os arquivos da Torre do Tombo para ser visto no âmbito dos festejos.
“Pampilhosa 900 anos – 9 séculos de história” é o mote para as celebrações que evocam a origem da freguesia, recordando a doação das terras ao Mosteiro de Lorvão feita por Gonçalo Randulfo e seu filho, Telo Gonçalves. A festa está a ser preparada pela Junta local, contando para tal com o apoio da Câmara e das associações da freguesia.
Desde o enfeite das ruas com motivos da época às recriações históricas, passando pela música e muitas outras atividades, o momento alto dos festejos será, sem dúvida, a exposição que mostrará os documentos originais do testamento de doação das terras. Estes escritos históricos viajarão desde o Arquivo Nacional da Torre do Tombo em ambiente climatizado e ficarão sujeitos a vigilância policial durante a sua exposição no restaurante pedagógico da EPVL no Jardim Municipal da Pampilhosa, de 28 de junho a 2 de julho. “O transporte e a segurança dos documentos será da responsabilidade da Câmara que nos prestará este grande apoio, e não será pouco”, disse o presidente da Junta da Pampilhosa, Vítor Matos.
Um selo comemorativo dos 900 anos da freguesia com o carimbo do dia, palestras e mercados, caminhadas e gastronomia são muitos dos outros momentos que vão envolver as associações locais e a população do concelho em torno deste momento histórico que teve na sua origem a intenção de Gonçalo Randulfo e Telo Gonçalves, que “oprimidos pelo pecado” decidiram dar as terras de Pampilhosa ao abade Eusébio do Mosteiro de Lorvão.
João Paulo Teles

Leia a notícia completa na edição de 20 de abril de 2017 do JB